• Anônimo

Poema

O céu nunca foi o limite pra quem nasceu pra sonhar demais

Pra quem nasceu pra sentir muito

Pra quem é 8 ou 80, sem meio termo

Não existem limites

Se eu quiser ir pra outra galáxia, eu vou

Se eu quiser me trancar dentro do meu quarto, eu vou

E se eu quiser fazer os dois ao mesmo tempo: eu vou

Eu faço o que eu bem entender, eu vou pra onde eu quiser

E não venha me dizer que o céu é o limite porque ele nunca funcionou como uma barreira pra mim

Céu pra mim é liberdade

É onde eu posso voar pra ver tudo do alto

É a divisão entre o nosso mundo e os mil espalhados por aí

Conquistar o céu não é conquistar tudo

Nunca foi

Conquistar o céu é saber que o mundo é pequeno quando comparado ao universo

E que você é pequeno quando comparado ao mundo

Mas grande o bastante pra voar por onde quiser

Poeta anônimo

A ilustração deste poema foi feita pela Marília Arruda (@arruda.marilia), ilustradora da Edição 12 da Revista.


ISSN: 2447-2662
  • Branca Ícone Spotify
  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone Instagram